Artista Emmanuel Nassar - Emmanuel da Cunha Nassar
Biografia Nassar, Emmanuel (1949)



Biografia

Emmanuel da Cunha Nassar (Capanema PA 1949). Pintor, desenhista. Realiza instalações e relevos pintados. Em 1969, após uma viagem à Europa, o artista decide estudar arquitetura, formando-se pela Universidade Federal do Pará - UFPA, em 1974. Trabalha inicialmente com acrílica sobre tela e, mais tarde, estuda técnicas como o relevo sobre madeira. A partir de 1980, torna-se professor de educação artística na UFPA. Em 1981, cria a obra tridimensional Recepcôr. A partir desse trabalho, passa a realizar pinturas em que representa pequenos mecanismos, contendo eixos, manivelas e placas de cor, incorporando também objetos comuns, como garrafas. Em alguns quadros evoca a cultura popular local, como nas cores vibrantes e formas geométricas das casas e de barracas de feira. Em 1985, em uma nova pesquisa, realiza trabalhos em que apresenta uma releitura dos desenhos e pinturas presentes em bares e banheiros públicos. Em outros trabalhos, alia imagens do universo do consumo a outras, recorrentes nos subúrbios da sua cidade natal. Em 1998, realiza a instalação Bandeiras, no Museu de Arte Moderna de São Paulo - MAM/SP e no Museu Estadual do Pará, na qual se apropria de 143 bandeiras de municípios paraenses, que são distribuídas pelas paredes dos museus. Em 1999, com a obra Incêndio, recebe o grande prêmio da 6ª Bienal de Cuenca, no Equador.



Atualizado em 12/05/2006
fonte : Itaú Cultural

----------------------------------------------------------------------------------------------------------



Artista : EMMANUEL NASSAR


BIOGRAFIA
EMMANUEL NASSAR (Capanema, PA, 1949)

Arquiteto de formação, é autodidata em artes plásticas. Apresentou pela primeira vez um conjunto de seu trabalho na Galeria Theodoro Braga (Belém, PA), em 1979. Desde então, apresenta individualmente suas obras no Brasil - destacando-se as individuais da Galeria Luisa Strina (São Paulo, 1989, 1992, 1995 e 1999), da Galeria Thomas Cohn (Rio de Janeiro, 1994) - e na Alemanha, entre elas, na Galeria Ruta Correa (Frieburg, 1996), na Galeria Zandler (Colônia, 1997) e na Galeria Barsikow (Barsikow, 1997 e 1999). A instalação Bandeiras, apresentada no MAM de São Paulo, em 1998, foi apresentada também na XXIV Bienal Internacional de São Paulo daquele ano. Figurou ainda, entre outras, na 3ª Bienal de Havana (Cuba, 1989) e na XLV Bienal de Veneza (Itália, 1993).

Fonte : Aloisio Cravo


Fonte Itaú Cultural/Aloisio Cravo
Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.