Adriana Varejao

Ver todas as obras de Adriana Varejao

Artista Adriana Varejao
Biografia Varejão, Adriana (1964)



Biografia

Adriana Varejão (Rio de Janeiro RJ 1964). Pintora. Freqüenta cursos livres na Escola de Artes Visuais do Parque Lage - EAV/Parque Lage, no Rio de Janeiro, entre 1981 e 1985. Faz sua primeira exposição individual em 1988, na Galeria Thomas Cohn, no Rio de Janeiro. Em sua produção, evoca repertório de imagens associadas à história do período colonial brasileiro, como azulejos e mapas. Em obras que se situam entre a pintura e o relevo, emprega freqüentemente cortes e suturas em telas e outros suportes que permitem entrever materiais internos que imitam o aspecto de carne. A artista evoca também o barroco, associando pintura, escultura e arquitetura em seus trabalhos.



Atualizado em 28/07/2006
fonte : Itaú Cultural

-----------------------------------------------------------------------------------------------------


Sobre a obra de:
ADRIANA VAREJÃO

--------------------------------------------------------------------------------
Aluna Vilna Maria Cotta Souza Santos

--------------------------------------------------------------------------------
Artista plástica que vem ganhando cada vez mais destaque no espaço nacional e internacional, com suas obras viscerais, peles rasgadas, interiores à mostra, canibalismo e esquartejamento.
Nasceu no Rio de Janeiro em 1964, estudou de 1981 a 1985 na Escola Artes Visuais do Parque Lage, no Rio de Janeiro. Em suas pinturas, trabalhadas com signos e símbolos refaz os percursos históricos e artísticos do Ocidente e Oriente, e investiga, com crítica apurada, a religiosidade, o barroco, o colonizador e a paisagem histórica, formando e reformulando uma nova cartografia. Entre as exposições de que participou destacam-se Panorama de Arte Brasileira, no Museu de Arte Moderna, São Paulo, 1983; Bienal de Havana, 1994: Bienal de São Paulo, 1994/1998; Bienal de Veneza, 1995; evento no Itaiú Cultural: Fronteira, em 1998. Foi também umas das figuras centrais da Bienal de Sydney, em 2000.

TRAJETÓRIA

Adriana Varejão produz obras extremamente vigorosas e impactantes que marcam sua trajetória e sua produção:
- No início dos anos 5O, com suas investigações no campo da arte torna-se uma das artistas brasileiras mais respeitadas da nova geração, sendo uma das representantes do Brasil na XXIV Bienal de São Paulo.
- Antes de se dedicar definitivamente à arte, ela estudou engenharia industrial e comunicação visual. Além de freqüentar por alguns anos a escola do Parque Lage, identifica duas viagens como determinantes na escolha profissional: Em Nova York, visitou museus e ficou impressionada com a explosão de materialidade que caracterizava a obra de certos artistas, particularmente, Anselm Kiefer.
- No Brasil visitou cidades históricas de Minas Gerais e apaixonou pelo Barroco. Depois da Viagem a Minas feita no final dos anos SO, Adriana passa a carregar em sua primeira pintura a marca do barroco.
- Gradualmente, faz a passagem da sensualidade de cores e texturas para uma figuração que referência a própria história da arte e experiências pessoais. As obras já recebem craqueles enormes, baseados na porcelana chinesa, fruto da atração da artista por essa cultura. Já foram estampadas com a imagem da azulejaria azul e branca do barroco português, ou fragmentos pictóricos do corpo ensangüentado, aludindo à violência da nossa própria história.
- Pintou também corpos tatuados, que remetem à tradição do Yakusa japonês, ou pintou com hena, característica das culturas árabes e indianas, e retratou parte do corpo fragmentadas e suspensas em varas.
- Sua obra reproduz elementos históricos e culturais, com temas ligados à colonização, ao barroco e a azulejaria. Investiga também a utilização do corpo humano, da visceralidade e da representação da carne como elemento estético. Apesar de remeter ao barroco, adquire forte contemporaneidade em decorrência do acúmulo excessivo de materiais, camadas de tinta e infoirmações.
- A densidade simbólica de Adriana Varejão chega a escandalizar os espectadores, mas ao mesmo tempo é responsável pela conquista de admiração e respeito cada vez maiores dos críticos internacionais da arte.


Estranhamento da Adriana Varejão:

O maior mérito da artista está no estranhamento. Ela consegue criar diferenças estéticas através do orgânico: carnes, vísceras, sangue, com evidente sentido metafórico que nos remetem à realidade que compartilhamos. Estas diferenças estéticas atraem a atenção de muita gente. Ela não considera sua obra visceral afinada com as novas tendências da arte contemporânea, que em sua opinião privilegia o minimalisno ascético. E conclui; "A arte não é para enfeitar ambientes. Deve incomodar mesmo e atingiu a inteligência da emoção".

Bibliografia:

- Revista Bravo - Outubro/1998
- Revista Isto É - 14/02/2001
- Perfil Coleção Itaú Cultural
- Bienal Brasil Século XX
- Galeria Artes Vilaça
- Virgin Territory National Museun of Women In The Arts
- Adriana Varejão - Edição Louise Neri / Paulo Herkeiihoff (Museu de Arte da Pwnpulha)
- Pesquisa Internet (vários sites consultados)


fonte :http://www.demec.ufmg.br/port/d_online/diario/Ema101/AnalisePCriativo/SobreObraDe/AdrianaVarejao.htm
Fonte Itaú Cultural