Logotipo
Atualizado : 02/12/2016 às 17:01:05
Usuários On-Line :  0300
Catálogo das Artes - Menu de navegação
      Detalhamento da Biografia do Artista
<< Voltar
 NOTA : Clique na(s) imagem(ns) para vê-la(s) ampliada(s).

Artista : Estêvão Roberto da Silva
 
   
 
 
 
LINKS COM REFERÊNCIA AO ARTISTA
BIOGRAFIA
 
Estêvão Roberto da Silva
( ? - 1891)
.


Texto do livro "Um Século de Pintura"
de Laudelino Freire
.


[Estêvão Roberto da Silva], nascido nesta cidade [Rio de Janeiro] e aqui falecido a 9 de novembro de 1891, foi aluno da Academia, discípulo de Vítor Meireles, Agostinho da Mota e Júlio Le Chevrel.

Distinguiu-se como pintor de frutas, chegando a lograr não pequena popularidade. Nos demais gêneros que tentou, não conseguiu ser o que foi no gênero das frutas.

A crítica da época, a seu respeito, assim se pronunciou: "Realmente, é difícil, e até parece impossível, pintar frutas melhor do que as tem pintado Estêvão."

Fora dessa especialidade, os seus trabalhos que mais se avultam são: São Pedro, A Caridade, A lei de 28 de setembro, esboço, além de alguns retratos.

Nos seus trabalhos de frutas, observa-se bom colorido e qualidades de expressão e fidelidade.

Era de gênio irriquieto e turbulento. De uma vez, em pleno ato solene de distribuição de prêmios escolares, levantara-se e queixara-se ao Imperador, presente ao ato, de que acabava de ser vítima de injustiça, não sendo premiado.

Esse incidente provocou escândalo e motivou o seguinte parecer:

"A Comissão nomeada pelo Exmo. Sr. Cons. Diretor para indicar do desacato praticado pelo aluno Estêvão Roberto da Silva, por ocasião do ato solene da distribuição dos prêmios aos alunos que mais se distinguiram na última exposição, havendo chamado à sua presença o mesmo aluno, ouviu-o e foi convidado a produzir, em sua defesa, e, tendo formado juízo a respeito do fato, vem apresentar seu parecer.

"Que o aluno de que se trata, perturbando de modo insólito, com um protesto verbal, a marcha da solenidade da sessão pública da distribuição dos prêmios, incorreu na disposição dos artigos 149 e 155, é indubitável: não só porque promoveu, com surpresa geral, uma desordem moral, embora transitório, dentro do edifício, mas também porque, de modo irreverente, irrogou [impôs] à Congregação uma injúria afrontosa, podo em dúvida a retidão do juízo profissional dos seus mestres, faltando assim, com desprezo das conveniências, ao respeito devido aos seus superiores.

"Cometeu, pois, aquele aluno, um atentado sem exemplo nos anais da Academia, violando as regras da sua disciplina. Foi, portanto, manifesto o desacato e flagrante a quebra da disciplina escolar.

"Mas a Comissão, ouvindo a defesa do delinqüente, convenceu-se de que, por acanhamento de inteligência, aquele aluno, quer tivesse procedido de motu proprio, quer cedesse às sugestões de algum mal-intencionado, não teve pleno conhecimento do mal, nem direta intenção de o praticar. Pecou, pois, aquele aluno, por manifesta curteza de entendimento, e nunca por inteira má fé, na jurídica acepção da expressão.

"Entretanto, a Comissão, sabendo que não deve passar sem corretivo o perniciosíssimo exemplo levantado pelo aluno em questão, e vendo que o regime disciplinar da Academia exige que não se tolere a menor quebra de disciplina, é, em conclusão, de parecer que, sendo tomada em conta de circunstância atenuante a indigência intelectual do aluno delinqüente, seja ele considerado unicamente incurso no grau mínimo do art. 155 dos Estatutos, e punido com a suspensão dos estudos por um ano.

"É essa a opinião da comissão, que a submete a melhor juízo. Academia de Belas Artes, 20 de fevereiro de 1880. E. G. Moreira Maia; Francisco Manuel Chaves Pinheiro; José de Medeiros.

"Depois de longa discussão, é este parecer unanimemente aprovado, e imposta ao aluno Estêvão Roberto da Silva a pena de suspensão dos estudos por um ano, na forma do art. 155 dos Estatutos; que lhe será comunicada."


Fonte : Pitoresco
 
25/02/2007

  LOGIN DE ASSINANTES - Guia de Preços
Clique Aqui
 
  LOGIN DE ANUNCIANTES - Ofertas Especiais
Clique Aqui
 
        Copyright © 2007 Catálogo das Artes