Logotipo
Atualizado : 19/08/2017 às 11:44:25
Usuários On-Line :  0221
      Detalhamento da Biografia do Artista
<< Voltar
 NOTA : Clique na(s) imagem(ns) para vê-la(s) ampliada(s).

Artista : ELOI INACIO CARMEZINI
Algumas Obras do artista...

                       
 
   
 
   
 
LINKS COM REFERÊNCIA AO ARTISTA
BIOGRAFIA
 
Elói Inácio Carmezini nasceu em 24 de setembro de 1942 em Tijucas, Estado de Santa Catarina, na localidade chamada Pinheiral, hoje município de Major Gercino (SC), filho de agricultores, seu primeiro mestre foi, também, um agricultor de origem polonesa, chamado José Lichewsky, (de quem se lembra ainda hoje), que, quando ele tinha 8 anos de idade, o ensinou a esculpir a perna de um boneco para o teatro de marionetes. Isso aí por volta de 1950.
Esculpiu com uma faca de sapateiro que ele lhe emprestou.
Adquiriu muita habilidade no uso de formões, desde pequeno. Seu pai era carpinteiro e tanoeiro e esse tipo de ferramentas era comum em sua casa.
No ginásio aprendeu algumas noções de desenho, perspectiva e sombreamento, mas nunca se julgou bom desenhista.
Paradoxalmente, pinta retratos de pessoas que se reconhecem dentro do seu traço áspero e cores conflitantes.
Todo o seu trabalho se resume no seu grande esforço autodidata: aprende tudo o que quer, por si mesmo, geralmente, sem ajuda de quem quer que seja. Foi sozinho que aprendeu vários idiomas, programação e computação gráfica.
Possui obras espalhadas por países das Américas, Europa e Oriente Médio.
Sua primeira exposição foi na festa do Bi-Centenário de Lages (SC), em 1966.
Depois, somente veio a expor na Festa Nacional da Maçã em São Joaquim (SC), em 1976.
Então, já era bastante conhecido, principalmente pelas esculturas em madeira.
Em 1979, recebeu elogios da crítica especializada, destacadamente de Harry Laus, na PanArte79.
Desde então, fez exposições em São Miguel do Oeste (SC), Chapecó(SC), Jacarezinho (PR), Curitiba (PR), Joinville (SC), Blumenau (SC) e Florianópolis (SC)
Fez inúmeras exposições dentro do Banco do Brasil, do qual foi funcionário, e nas AABBs.
Um incêndio que destruíu sua casa nos Açores, Pântano do Sul - Florianópolis, em 1999, também destruíu todos os seus registros relativos a exposições, prêmios, menções, etc...
Toda a sua obra está numerada seqüencialmente. (Exceto cerca de 60 peças, criadas no período de 2000 a 2002, que não receberam o número em seu verso, mas foram fotografadas).
A obra em escultura e pintura, já ultrapassa 1.200 de peças e continua crescendo a cada dia que passa. Os desenhos, em papel "canson" somam-se às centenas.
Não tem firulas na cabeça a propósito da sua obra. Esculpe e pinta, porque gosta das formas e das cores.
Segundo ele, que se danem os estilos, os modismos e o que possam dizer a respeito.
Não procura interpretar coisa alguma e nem dar explicações transcendentais a respeito de cada trabalho. Simplesmente pinta ou esculpe, pelo prazer de pintar e esculpir. Essencialmente busca sua satisfação íntima.
Diz sempre que esculpe para acariciar as formas com as mãos e com os olhos; pinta, para extrair e mostrar as cores que estão no seu íntimo.

 
Fonte: O Artista - 10/07/2008

  LOGIN DE ASSINANTES - Guia de Preços
Clique Aqui
 
        Copyright © 2017 Catálogo das Artes