Logotipo
Atualizado : 27/06/2017 às 17:12:11
Usuários On-Line :  0156
Catálogo das Artes - Menu de navegação
      Detalhamento da Biografia do Artista
<< Voltar
 NOTA : Clique na(s) imagem(ns) para vê-la(s) ampliada(s).

Artista : Amilcar de Castro
Algumas Obras do artista...

                       
 
   
 
 
 
                                   
veja mais...
LINKS COM REFERÊNCIA AO ARTISTA
BIOGRAFIA
 
CASTRO, Amílcar de
(1920, Paraisópolis, MG - 2002, Belo Horizonte, MG)


Escultor, dedicou-se também ao desenho, à pintura, à gravura e ao magistério. De 1942 a 1946, estudou em Belo Horizonte: desenho e pintura com Guignard e escultura com Weissmann. Formou-se em Direito em 1945 e em 1952 transferiu-se para o Rio de Janeiro. Participou da Exposição Nacional de Arte Concreta, em São Paulo e no Rio de Janeiro (1956 e 1957) e posteriormente em Zurique (1960). Foi um dos signatários do Manifesto Neoconcreto, redigido por Ferreira Gullar, e participou das mostras do grupo no Rio (1959), em Salvador (1959) e em São Paulo (1961). Em fins dos anos 50 e início dos 60, trabalhou na renovação gráfica de vários jornais cariocas e criou a nova concepção gráfica do Jornal do Brasil. Em 1968 conquistou a bolsa da Fundação Guggenhein, de Nova York, fixando-se durante um ano em Nova Jersey (EUA). No Salão Nacional de Belas Artes, conquistou o prêmio de viagem ao exterior em 1967. Participou muitas vezes da Bienal de São Paulo (1953, 1961, 1965, 1979, 1987 e 1989, com sala especial em 1979), e do Panorama de Arte Atual Brasileira (1977, 1979 e 1987, com prêmio de desenho em 1977 e prêmio de escultura em 1979). Expôs com freqüência em São Paulo, no Rio de Janeiro e em Belo Horizonte, com mostras ainda em Brasília e no exterior. Em 1989, no Paço Imperial, Rio de Janeiro, realizou-se a primeira retrospectiva de sua obra. Em 1997, conquistou o primeiro prêmio Johnnie Walker. Em 2000, expôs no Centro de Arte Hélio Oiticica, Rio de Janeiro, na inauguração do Centro Cultural Banco do Brasil, Brasília, e na Galeria Thomas Cohn, São Paulo; em 2001, na Pinacoteca do Estado de São Paulo; em 2002, no Armazem 5 e na Silvia Cintra Galeria de Arte, Rio de Janeiro. De 1999 a 2002 assinou a programação visual do Jornal de Resenhas, encartado mensalmente na Folha de S. Paulo.

Referências: A criação plástica em questão (Vozes, 1970), de Walmir Ayala; História geral da arte no Brasil (Instituto Walther Moreira Salles/Fundação Djalma Guimarães, 1983), coordenação de Walter Zanini; Etapas da arte contemporânea (Nobel, 1985), de Ferreira Gullar; Neoconcretismo: vértice e ruptura (MEC/Funarte, 1985), de Ronaldo Brito; Novos horizontes: pintura mural nas cidades brasileiras (Banco Nacional, 1985), de Olívio Tavares de Araújo; Entre dois séculos: arte brasileira do século XX na coleção Gilberto Chateaubriand (JB, 1987), de Roberto Pontual; Abstracionismo geométrico e informal: a vanguarda brasileira nos anos cinqüenta (Funarte, 1987), de Fernando Cocchiarale e Anna Bella Geiger; Museus Castro Maya (Agir/Banco Boavista, 1994); Cronologia das artes plásticas no Rio de Janeiro: 1816-1994 (Topbooks, 1995), de Frederico Morais; Arte construtiva no Brasil: coleção Adolpho Leirner (DBA, 1998), coordenação editorial de Aracy Amaral; Amílcar de Castro (Cosac & Naify, 1998), organização de Alberto Tassinari, textos de Rodrigo Naves, Ronaldo Brito e outros; Tridimensionalidade: arte brasileira do século XX (2. ed. revista e ampliada Itaú Cultural/Cosac & Naify, 1999), de Annateresa Fabris, Fernando Cocchiarale e outros; Amílcar de Castro: esculturas e desenhos (Centro de Arte Hélio Oiticica, 1999); Arte internacional brasileira (Lemos, 1999), de Tadeu Chiarelli; Gravura: arte brasileira do século XX (Itaú Cultural/Cosac & Naify, 2000), de Leon Kossovitch, Mayra Laudanna e Ricardo Resende; Amilcar de Castro (Galeria Kolans, 2001), de Ronaldo Brito e Márcio Sampaio; Marcantonio Vilaça (Cosac & Naify, 2001); Arte brasileira na Coleção Fadel: da inquietação do moderno à autonomia da linguagem (A. Jakobsson, 2002), de Paulo Herkenhoff; Relâmpagos: dizer o ver (Cosac & Naify, 2003), de Ferreira Gullar; Escultores esculturas (Pinakotheke, 2003), de Olívio Tavares de Araújo.

Quadro Cronológico:
Nascimento/Morte

1920 - Paraisópolis MG - 8 de junho
2002 - Belo Horizonte MG - 21 de novembro

Formação
1941/1945 - Belo Horizonte MG - Cursa direito na Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG
1944/1950 - Belo Horizonte MG - Estuda desenho e pintura com Guignard (1896-1962), na Escola de Belas Artes de Belo Horizonte
1944/1950 - Belo Horizonte MG - Estuda escultura figurativa com Franz Weissmann (1911-2005), na Escola de Arquitetura e Belas Artes
1968/1971 - New Jersey (Estados Unidos) - Recebe bolsa de estudo da John Simon Guggenheim Memorial Foundation


Cronologia
Escultor, gravador, desenhista, diagramador, cenógrafo, professor

1935/1951 - Belo Horizonte MG - Vive nessa cidade
1948 - Belo Horizonte MG - Torna-se chefe de gabinete da Secretaria de Segurança Pública de Minas Gerais
1949 - Belo Horizonte MG - É indicado como tesoureiro do Tribunal de Justiça de Minas Gerais
1952/1968 - Rio de Janeiro RJ - Vive nessa cidade
1952 - Rio de Janeiro RJ - Trabalha no escritório carioca do Departamento do Café de Minas Gerais
1952/1968 - Rio de Janeiro RJ - Atua como diagramador nas revistas A Cigarra e Manchete
1957/1959 - Rio de Janeiro RJ - Inicia projeto de reforma gráfica do Jornal do Brasil
1959 - Rio de Janeiro RJ - Assina o Manifesto Neoconcreto, com Ferreira Gullar (1930), Franz Weissmann, Lygia Pape (1927-2004), Lygia Clark (1920-1988), Reynaldo Jardim e Theon Spanudis
1960/1970 - Rio de Janeiro RJ e Belo Horizonte MG - Diagramador dos jornais Diário Carioca, Última Hora, Estado de Minas e Diário de Minas
1963 - Rio de Janeiro RJ - Realiza cenografia para enredo da Escola de Samba Mangueira. É auxiliado pelo escultor Jackson Ribeiro e por Hélio Oiticica (1937 - 1980)
1967 - Recebe o prêmio de viagem ao estrangeiro concedido no 17º Salão Nacional de Arte Moderna
1968 - Recebe bolsa da Fundação Guggenheim
1968/1971 - Nova Jersey (Estados Unidos) - Vive nessa cidade
1971 - Rio de Janeiro RJ- Retorna ao Brasil e vive por pouco tempo no Rio de Janeiro
1971 - Belo Horizonte MG - Fixa residência definitiva
1971/1977 - Belo Horizonte MG - Leciona composição, escultura e desenho na Escola Guignard, da qual mais tarde se torna diretor
1973/1990 - Belo Horizonte MG - Leciona composição, escultura, desenho e teoria da forma na Faculdade de Belas Artes da UFMG
1977 - Belo Horizonte MG - Restringe suas atividades didáticas apenas à Faculdade de Belas Artes da UFMG
1984 - Contagem MG - Participa do projeto da Escola de Artes e Ofícios de Contagem, destinada a estudantes pobres. O projeto não é levado adiante pelas autoridades municipais
1987 - Madri (Espanha) - Representa o Brasil no Projeto Esculturas Latino-Americanas
1988 - Rio de Janeiro RJ - Escreve texto para a exposição de Fani Bracher (1947) intitulada Pinturas 1987/1988, na Galeria Bonino
1991 - Belo Horizonte MG - Volta a pintar e inicia experiências de escultura em cerâmica
2001 - São Paulo SP - Recebe o prêmio de melhor exposição do ano da Associação Paulista de Críticos de Artes - APCA

Atualizado em 10/11/2005
 
Fonte: Catalogo das Artes - 11/04/2007

  LOGIN DE ASSINANTES - Guia de Preços
Clique Aqui
 
  LOGIN DE ANUNCIANTES - Ofertas Especiais
Clique Aqui
 
        Copyright © 2007 Catálogo das Artes